quarta-feira, 29 de novembro de 2017

Coluna Zeca Ao Volante - Citroen C3 AT6 - Atire a primeira pedra quem não tem teto de vidro.


VISITE O SITE CARPOINT NEWS: www.carpointnews.com.br   



Fotos: Zeca e Marcus Lauria


Dentre alguns bonitos carros à venda em nosso país está o nosso C3, só que hoje em dia em um mercado de hatchs tão competitivo o peso da idade reforça o ditado: “Beleza não põe mesa”.

Todos reclamavam que o câmbio AL4 de quatro velocidades “matava” o carro e limitava o desempenho do motor além de aumentar o consumo, pois bem a Citroën só agora trouxe o novo câmbio Aisin de seis velocidades e com conversor de torque e três modos de condução a se escolher no console (normal, Sport, Eco) é um bom trunfo porém veio tarde demais o que deixa ainda mais aparente a defasagem do modelo ao passar dos anos.


De que adianta um carro com Powertrain antigo e câmbio novo?


Eis a questão, todos os hatchs tem telhado de vidro mas o lindo teto Zenith só este C3, aliás Zenith que em dias de calor extremo como em nosso rio de janeiro fica impossível de ser curtido senão à noite, outra coisa que as mulheres adoram são aqueles espelhinhos para retocar uma maquiagem ou dar a conferida no visual, aliás não eles não fazem parte do C3.


É o mesmo carro de anos anteriores, faltam muitos porta-trecos e não gostei da ergonomia, para acessar a central multimídia tem que se esticar, o comando do rádio se confunde com a chave e arranjar um local para o celular se apoiar é tarefa impossível.

No externo as mesmas rodas desde o seu lançamento, porém perderam os cromados, também perdeu itens como o banco de couro na versão top testada, a central multimídia além de confusa não desliga com o carro em movimento e não liga sem acionar a chave, além de que não estão presentes o Android auto, os porta trecos abaixo dela não servem pra muita coisa pois toda e qualquer coisa ali colocada escorrega e cai aos pés.


Também tiraram as borboletas atrás do volante!




A sensação de perda é uma constante no modelo e demonstra uma contramão no mercado de hatchs. Uma versão top coberta por plástico duro, não que os concorrentes não tenham mas muitos já trazem pedaços de tecido e alguns imitam soft touch ou trazem couro, o que também me incomodou foram os barulhos internos vindo de todos acabamentos para um carro com 15 mil km rodados.

Um C3 Exclusive de R$ 65.490,00 nem tão exclusive assim, com rodas 16, sensor de ré (não tem câmera de ré), limitador de velocidade, cruise-control, descanso de braço para motorista e passageiro, ar digital (que achei deficiente talvez devido a geografia e ao ambiente) e central multimídia (nem tão multimídia assim).  


 Por dentro o C3 com o Zenith à mostra (cortina recolhida) é um carro que dá tanta amplidão quanto calor, parece que em dias de sol aqui no RJ o ar não dá conta nem com ele fechado pois a cortina acaba transmitindo esse calor aos ocupantes 

Ao volante o C3 é um carro dócil de domar, com comportamento previsível, ótima área envidraçada e visibilidade ruim, sim isso é possível, colunas grandes péssima posição dos retrovisores externos (muito baixos e ângulo ruim) e o retrovisor interno que estica os carros na traseira, demorei dois dias para vestir o carro e mesmo assim ainda me senti um pouco desconfortável, não pelos bons bancos de espuma de boa densidade e que abraçam confortavelmente.

Com 1200 kg a junção desse Aisin at6 com o velho 1.6 16v torna o carro tranquilo demais deixando ainda mais claro que o motor é bom mas antigo e que não há milagre sem renovação e o motor perdeu 2cv para essa adaptação ao novo câmbio. Quanto ao gasto de combustível, o C3 na cidade me proporcionou média de 8 km-l e na estrada e 12 km-l isso na gasolina, médias melhores que com o AL4 mas ainda que considero altas.



Em uma viagem à Petrópolis, Cidade imperial terra de muitas ladeiras e paralelepipedos senti que a suspensão não copia as irregularidades fazendo o carro quicar por demasiado e bater em fim de curso,   mas em asfalto liso e de boa qualidade o C3 vai muito bem e como todo Citroën é bom de curva, apesar de não trazer os importantes controles de tração e de estabilidade menos um ponto pra modernidade e segurança,

Mas nem tudo foi tranquilo, nestes mesmos paralelepípedos um susto terrível, uma ladeira cheia dessas pedras, pista apertada pra dois veículos e com um ônibus vindo na minha direção tomando toda curva , o ABS não parou de entrar e os freios falharam , freando num espaço enorme , explicação técnica é que com as rodas quicando nos paralelepípedos o ABS tardou a freada , uma sensação horrorosa e já vivida por outros colegas Autoentusiastas.


Sorte minha que cutuquei o freio a mais de 100 metros da curva e que estava em uma velocidade baixa em torno de 30 km. Péssima experiência, mas depois em local seguro com mesmo piso irregular repeti a manobra e o fato não ocorreu novamente me levando a crer que além do Abs e o  piso irregular algum agente externo como óleo ou areia possa ter agravado tal falha.

Gosto da Citroën e acho que uma mudança urgente nesse Powertrain tornando-o mais moderno e abrasileirado urge, dado o exemplo do Puretech, mas sinto falta do requinte de acabamento e da Creative Technology .

Reage Citroen !!!!




O espaço para os passageiros traseiros é bom e a mala dentro da capacidade dos concorrentes com seus 300 litros e com 5 passageiros a traseira baixa e a frente levanta, mas 3 adultos cabem atrás não que confortavelmente mas cabem, em caso de viagens longas o ideal são apenas dois.

Se me perguntarem se vale o preço, eu não compraria, mas é você comprador quem decide mas que o C3 tem um grande “ telhado de vidro” há tem, não que os concorrentes não tenham mas na vizinhança essa área de vidro é bem menor, quem não tenha que atire a primeira pedra.

Só como curiosidade em uma viagem recente a Visconde de Mauá avistei o novo Cactus. Que venha a renovação e logo por favor !!


E sigo assim,  Ao Volante



ZECA - Carioca da gema, casado e nascido em 70. Uma filha quase jornalista e apaixonado por automóveis, tecnologia e pelos anos 80.
** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do CarPoint News.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Comente, opine.